O objetivo de cassar Bolsonaro, exposto no caderno de teses do V Congresso Nacional do PT

A verdade Por Trás da Cassação do Deputado Jair Bolsonaro





A Articulação de Esquerda, uma das mais fortes tendências internas do Partido dos Trabalhadores, contribuiu com um conjunto de teses para o V Congresso Nacional do partido, que aconteceu em junho de 2015. Essa coletânea de teses, intitulada “Um Partido para Tempos de Guerra”, traz alguns objetivos interessantes.

cassacao-bolsonaro

A tese nº 157 asseverava o seguinte: “Neste congresso conservador e sob a presidência de Eduardo Cunha, temas como a reforma política, a lei da mídia democrática, a punição dos crimes da ditadura militar, o combate à corrupção e mesmo a cassação do deputado Jair Bolsonaro só terão chance de êxito se houver intensa pressão social.”





É curioso notar que, apesar de ser o deputado mais citado ao longo de todas as teses apresentadas pelas tendências do PT para seu V Congresso, Eduardo Cunha não é colocado como alvo de nenhuma ação particular. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) é mencionado uma única vez, e o que se propõe é que o PT promova “intensa pressão social” para conseguir sua cabeça. Até agora, a única pressão social que se via em torno do deputado era de entusiasmado apoio: onde quer que fosse, era recepcionado com festa nos lugares em que desembarcava.

Miriam Leitão Ironiza sobre perícia do Senado em atos de Dilma Rousseff

Miriam Leitão Ironiza sobre perícia do Senado em atos de Dilma Rousseff

 

Veja Mais

Jair Bolsonaro que a Mídia Nunca vai Mostrar

› O PT se apropiava indevidamente do contracheque de aposentados endividados

Se a pressão social não aconteceu, a pressão judicial entrou em cena para substituí-la. No final de 2014, a vice-procuradora-geral da república, Ela Wiecko, entrou com representação contra Bolsonaro junto ao STF. O motivo era uma entrevista concedida pelo deputado ao jornal gaúcho Zero Hora sobre um desentendimento com a deputada Maria do Rosário (PT/RS) ocorrido em 2003. Na ocasião, a deputada petista havia assediado verbalmente Bolsonaro, chamando-o de estuprador, enquanto o deputado era entrevistado por uma equipe da emissora Rede TV. Em sua reação, Bolsonaro disse que não estupraria Maria do Rosário porque ela não merecia. Na entrevista ao Zero Hora, o deputado voltou a repetir que não estupraria a deputada. Para a vice-PGR, “ao dizer que não estupraria a deputada porque ela não ‘merece’, o denunciado instigou, com suas palavras, que um homem pode estuprar uma mulher que escolha e que ele entenda ser merecedora do estupro”.



Na terça, dia 21 de junho, a Primeira Turma do STF acolheu a denúncia contra o deputado Jair Bolsonaro. O relator, ministro Luiz Fux, assim afirmou: “ao menos em tese, a manifestação teve o potencial de incitar outros homens a expor as mulheres à fragilidade, à violência física e psicológica, à ridicularização, inclusive à prática de crimes contra a honra da vítima e das mulheres em geral”. Acompanharam-no no acolhimento da denúncia os ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso, e votou contra o ministro Marco Aurélio Mello.




O absurdo viés da decisão do STF já foi apontado brilhantemente por Taiguara Fernandes em artigo no site Senso Incomum, de modo que não abordarei o caso aqui. O que merece melhor atenção é a atuação curiosamente partidária da Procuradoria-Geral da República no caso, em especial da vice-procuradora-geral da república.

Ela Wiecko ingressou na PGR por concurso em 1975. Em 1992, foi promovida por merecimento a subprocuradora-geral. No ano de 2009, quando foi composta a lista tríplice para a escolha do novo chefe da PGR, a bancada feminina da Câmara dos Deputados, liderada pela deputada Alice Portugal (PCdoB/BA), reuniu-se com o então ministro da justiça,Tarso Genro, para entregar cópia do requerimento em que pediam a escolha de Wiecko – na época, o escolhido foi o então vice-PGR,Roberto Gurgel. Em 18 de setembro de 2013, foi apontada pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para ocupar o posto de vice-PGR.

Para a vice-PGR Wiecko, assim como o foi para Lyra Filho, os direitos são construídos a partir de uma perspectiva de classe, e disso participa com predileção o Direito Penal. A determinação do que vem a ser crime – e, portanto, de quem são os criminosos – é feita, de acordo com eles, pelos grupos politicamente dominantes de modo a construir uma posição hegemônica e manter o poder. No fim das contas, essa visão do Direito propõe que é impossível qualquer possibilidade de estabelecer direitos e deveres objetivamente: tudo se resume, ao fim e ao cabo, à redução do Direito como ferramenta da luta de classes.


Tomando as coisas nessa perspectiva, conseguimos compreender o que realmente motivou o oferecimento de denúncia contra o deputado Jair Bolsonaro. Tudo fica ainda mais claro quando vemos que a subprocuradora tem recebido, ao longo dos anos, entusiasmado apoio de deputados do Partido dos Trabalhadores para ser indicada chefe da PGR, bem como a aparente tentativa de blindar o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), de investigações da Polícia Federal no âmbito da Operação Acrônimo.

O objetivo de cassar Bolsonaro, exposto no caderno de teses do V Congresso Nacional do PT, e a atuação da vice-PGR confluem de uma forma incrivelmente coincidente. Coincide também a visão que possuem do Direito e de seu potencial como ferramenta revolucionária. Tomar esse acúmulo de coincidências por mero acaso seria, na melhor das hipóteses, ingenuidade.

fonte:impressoinfo

Dê sua opinião: Compartilhe, deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa fanpage no Facebook.

 

EVENTO PRESENCIAL: UM ACONTECIMENTO QUE MUDARÁ SUA VISÃO SOBRE O FUTEBOL.

evento trader esportivo

evento trader esportivo

O objetivo de cassar Bolsonaro, exposto no caderno de teses do V Congresso Nacional do PT
Rate this post

Recomendamos que leia também:

Compartilhe Agora:

You may also like...

×